Livro: Um Bolinho é Só o Começo

Olá meninas, como estão? A semana está corrida aí também ou é só aqui que o "bicho está pegando"?
Dezembro, preciso de você! rs
O post de hoje vai falar sobre literatura. Não é o tipo de postagem que eu costumo fazer, acho que havia feito somente numa tag pouco tempo antes. Dessa vez, o livro veio através de uma "parceria" com a autora do mesmo. Há bastante tempo fui procurada por e-mail por uma moça que me contou estar escrevendo um livro cujo personagem principal era uma moça gordinha, e se eu toparia ler e contar minha opinião para vocês. Como adoro ler, topei.
O livro se chama UM BOLINHO É SÓ O COMEÇO e a autora é Ara Mystake. O livro está sendo comercializado no Clube de Autores, um site democrático onde autores anônimos podem publicar suas obras. Acho bacana a iniciativa do site e dos autores que lá publicam.

Para adquirir o livro clique AQUI.

Não tenho como falar sobre esse livro sem fazer uma comparação com outro, um que está "bombando" no momento: Cinquenta Tons.
Um dia comentei com uma leitora que comentou no blog que eu não leria o Cinquenta Tons por enquanto, que torcia o nariz pra ele e a história não me interessava. Acabou que tive um livro à minha disposição e pela falta do que fazer acabei lendo. Li a trilogia. Não entrarei nos méritos do que achei dos Cinquenta Tons, mas posso dizer que não tenho a mesma opinião que a maioria das pessoas têm, embora o segundo e o terceiro livros não sejam ruins e tenham até uma história bonitinha.

Citei o Cinquenta Tons para que vocês consigam associar mais ou menos o conteúdo do livro Um bolinho é só o começo.
Esse livro tem como personagem principal uma mulher gordinha que está prestes a conhecer o amor de sua vida. 

A gordinha do livro: uma mulher muito bonita, mas muito insegura, cheia de pensamentos negativos sobre si, que duvida da sua capacidade e seus pensamento a autoflagelam.
Amor de sua vida: Um homem "lindo, tesão, bonito e gostosão",  empresário bem sucedido que se encanta pela mulher insegura à primeira vista. 

Alguma semelhança? 
Algo me faz pensar que a ideia desse livro tenha vindo após a autora ter tido contato com o Cinquenta Tons ou algum livro semelhante, pois há várias coisas em comum.
O cara a respeita acima de tudo, a gordinha se irrita frequentemente com o cara, eles só tem a primeira noite quando ela se sente segura e permite que aconteça, as cenas de sexo são narradas metodicamente. Ahh, eles reviram os olhos um para o outro cada vez que alguma coisa desegrada um deles. 
Comparar com o Cinquenta Tons é só uma dedução minha, mas é muuuuita semelhança para ser mera coincidência.

Um Bolinho é Só o Começo é um livro curtinho, com no máximo cem páginas, de fácil leitura e bastante envolvente. A ideia seria fazer as leitoras se identificarem com a gordinha insegura que consegue um namorado gostosão quando achava que nunca teria alguém assim para si. Sei que muitas gordinhas se enquadram nisso, mas eu não, não faço o tipo gordinha insegura e não almejo - e nem gosto do tipo - um namorado gostosão. Confesso que a insegurança da gordinha chega a me irritar váááárias vezes, assim como acontecia lendo Cinquenta Tons.
Por se tratar de um encontro entre os dois personagens e como esse encontro desenrola, dá curiosidade de saber como tudo aquilo vai terminar, o que vai motivando a leitura. Acontecem algumas cenas engraçadas, algumas de sexo metodicamente chatamente descritas, algumas cenas de amor, algumas de sexo, algumas cenas de companheirismo, algumas de sexo, algumas cenas de cumplicidade e dedicação, algumas de sexo.
Tipo Cinquenta Tons em uma versão reduzida com a protagonista gordinha.

Como estava dizendo, é um livro de leitura fácil, divertido, que flui. É gostoso de ler e vale a leitura. Como tenho o hábito da leitura desde criança, sou um pouco crítica com aquilo que leio, então assim como encontrei páginas e mais páginas insuportáveis nos Cinquenta Tons, seria natural que eu encontrasse episódios que eu também não gostasse em Um Bolinho é Só o Começo.
O ponto positivo é que poder ser uma escritora novata, sem a interferência de uma editora que faz algumas modificações no livro, a qualidade de escrita, de conteúdo e de continuidade da história é bem alta. 
Se eu for recomendar o livro para uma faixa etária, acho que seria mais ou menos entre os 18 e os 20 e poucos anos. 
Quem gosta de ler algo para se distrair, ou quem vai viajar e quer um livro curtinho que leia durante a viagem para fazer a hora passar, esse é um livro bacana. 
Agradeço a autora pela oportunidade e desejo sucesso e continuidade à carreira dela. 
Gostaria de ser surpreendida no próximo livro a ponto de não conseguir compará-lo a nenhum outro livro. 
Mais uma vez, por ser uma autora iniciante, não posso deixar de reconhecer a qualidade da escrita.

Acho bacana a ideia de ter uma protagonista gordinha que não seja a "engraçada", motivo de risadas. 

E aí meninas, tem outros livros para me indicar? Conhecem outros livros com personagens gordinhos?
Beeeijos!

15 comentários:

  1. eu não conhecia esse...
    beijos e lindo dia

    ResponderExcluir
  2. Deve ser bom...
    bjs e te seguindo...

    ResponderExcluir
  3. Pois é ... li a triologia do 50 tons e compartilho da meeesma opinião que a sua!
    O primeiro eu até gostei , mas o 2 o 3 me irritaram uasaushuas
    Novos escritores é muito bom , quem sabe ela usou uma inspiração para ir se soltando e criar as próprias historias né ? Vamos torcer por isso!
    Beijos ;*

    http://blogdamaryh.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs acho que nao deixei claro, mas eu nao gostei do primeiro, só dos outros dois hehehe
      Beijos Mary

      Excluir
  4. Oi Amandinha não conhecia esse Clube dos Autores, vou dar uma conferida. Obrigada pela dica! Bjks

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, eu nunca li nenhum livro da trilogia 50 tons (nem sabia que era uma trilogia). Eu não gosto quando a personagem é bobinha e aceita tudo facilmente e não se impõe. Eu nunca vi minha personagem dessa forma.
    Foi uma critica interessante, vou rever a historia e tentar vê-la por esse lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida, tudo bem?
      Estava vindo te mandar o link dos meus comentários sobre seu livro, mas vi que você já viu.
      Eu poderia não tê-lo comparado com o outro livro, mas a trilogia dos 50 tons e o seu livro tem muita muita muita coisa em comum, o que, na verdade, é um ponto positivo se a gente for pensar no sucesso que o livro está fazendo.
      Como disse lá, foi uma dedução minha que você tivesse tido contato com a outra história, e quando eu deduzo eu reconheço que não necessariamente tenha tido.
      No seu comentário no blog você coloca assim: "Eu não gosto quando a personagem é bobinha e aceita tudo facilmente e não se impõe. Eu nunca vi minha personagem dessa forma."
      Foi essa frase a motivação que eu tive pra vir aqui por e-mail conversar com você. Até reli o que escrevi no post pra ver se em algum momento eu tivesse dado a entender que sua personagem era assim, mas não. Comparar com os 50 Tons também é positivo uma vez que a personagem principal do livro é o oposto disso que você disse. Ela é irritante no meu ponto de vista, mas é uma garota apaixonante para a maioria das outras mulheres, e definitivamente bobinha que aceita passivamente tudo não é uma característica da Anastásia. Na verdade é por ela ser cabeça dura e não aceitar nada passivamente é que a história dos 50 Tons desenrola e muda o Sr. Grey de rumo.

      Excluir
    2. Sua personagem, assim como ela, não é bobinha e passiva. Apesar de insegura, muito insegura, é evidente os princípios que ela carrega, além de se mostrar uma mulher muito decidida, o que faz dela muito mais envolvente. Assim como você, eu também não vi sua personagem como bobinha em nenhum momento da sua história.
      Você disse que iria rever sua história e tentar ver por esse lado. Nesse caso, não é necessário, porque o bobinha e passiva está totalmente descartado. Se você puder me apontar onde eu dei a entender isso no meu texto seria bom, assim eu poderia reescrevê-lo de uma forma que fique mais clara a minha ideia.
      Pra ser muito sincera com você, a leitura de Um Bolinho é Só o Começo foi muito mais prazerosa pra mim do que a leitura de qualquer um dos três livros dos 50 Tons. Nele, caso não tenha a curiosidade de ler, a autora faz uma enrolação sem fim, e isso é muito desgastante!
      O seu livro tem começo, meio e fim - e isso acontece de uma forma tão envolvente que só deixei o livro depois que terminei a última página. Li todinho em uma tarde e fiquei com saudade dele quando acabei de ler.
      Indiquei como uma leitura fácil, envolvente e prazeroza, porque de fato é. Ele realmente me tirou de órbita.

      Excluir
    3. Quanto à minha crítica das cenas de sexo, ela é muito pessoal e não compartilha com a grande massa. Aliás, a descrição de cenas de sexo é a chave do sucesso para livros como 100 Escovadas antes de ir para a cama, Toda Sua, Luxúria, Uma Sedução por Semana, e obviamente os 50 Tons.
      Como disse lá no blog e fiz questão de frizar, seu livro é muito bem escrito, além de eu ter elogiado o conteúdo do livro e a continuidade da história, o desenrolar dela.
      Fiz questão de dizer que esse era uma nova escritora porque já li vários outros livros do Clube dos Autores que são muuuuuuuuito amadores, e o seu não é de jeito nenhum.
      Não considere o meu ponto de vista como uma crítica, mas como uma opinião simplesmente. Não há outras formas de ver sua história, pois na sua escrita você foi bem clara com a ideia que queria passar.
      Te desejo muito sucesso realmente e aguardo novos livros, porque me senti envolvida por esse primeiro.

      Nos seus próximos livros eu sugiro que você procure alguma editora realmente, porque você tem muita qualidade para apresentar e quem sabe um livro seu não se torna um grande sucesso?!
      Não tenho dúvida que o seu livro ou os próximos, nas prateleiras das livrarias e a um preço também acessível, fariam muito sucesso.

      Um beijo e me desculpe se eu não tenha sido clara, revisarei meu texto.
      Obrigada pela oportunidade!

      Excluir
  6. O que eu soube do 50 tons foi que a historia tinha sido escrita inicialmente como uma fanfic de Crepúsculo. E que a personagem (Anastácia?) era inspirada na Bella. Eu não gosto da personalidade da Bella. Acho muito sem graça e passiva. Acho que minha personalidade forte faz com que eu me irrite com esse tipo de pessoa, mesmo nos livros. Por isso meu interesse foi zero nessa historia.

    Para ser sincera, para mim você leu o livro com certo preconceito (considerando que você não gostou do 50 tons) ao ver algo similar e continuou lendo procurando coisas em comum.
    Procurei saber o que é similar (perguntei a uma amiga). O personagem principal é um empresário. Um empresário podre de rico, o que não é o caso do Ricardo que inclusive enfrenta uma crise.
    Não vejo a Fernanda se irritando com ele frequentemente (eles brigam uma única vez), o Ricardo não revira os olhos para ela e ela faz isso de uma forma divertida, porque sabe que não adianta discutir com ele.
    Quanto as cenas de sexo, eu tenho mais de uma forma de escrevê-las, tem quem goste mais de umas e quem goste mais de outras. Isso é uma questão pessoal. Eu mesma pulo cenas de sexo de alguns livros quando não estou com vontade de ler ou quando já sei que não vale a pena.
    A insegurança dela (entendo que ache irritante porque já me irritei bastante com personagens inseguros, embora não a ache tão insegura assim) é uma característica da série.
    Os personagens principais dessa série são pessoas que são considerados “anormais” física ou mentalmente e foram excluídas e apontadas durante toda a vida. Alguns vão estar conformados, mas nenhum deles estará completamente seguro.
    A próxima historia terá a Josy como principal, ela tem TOC.

    Eu gostei da sua critica, e não digo no sentido negativo da palavra. Você foi sincera e expressou sua opinião e eu apreciei isso, mesmo que não concordando com algumas coisas. Ainda espero contar com sua opinião em outras historias, seja dessa série ou não. Você me fez procurar ver a historia com outros olhos e ter certeza de que consegui passar com clareza o que estava na minha cabeça.

    Eu que tenho que agradecer por você ter parado para se aventurar nessa história.
    E fico feliz em saber que, apesar de tudo, você tenha gostado.

    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela resposta!
      Sinceramente, não li com nenhum preconceito o seu livro, pelo contrário... estava ansiosa para terminar os livros que eu já estava lendo para começar o seu. Como eu disse e você também constatou com sua amiga, ele tem algumas coisas em comum, mas não é igual... Grey e Ricardo são empresários, Fernanda e Anastásia (com s mesmo) são inseguras e não acreditam que o cara lindo se apaixonaria de verdade por elas até que eles provem isso, eles as divertem, compreender, proporcionam momentos bons, tem cenas de amor bem picantes. O que tentei fazer comparando foi mais mostrar para quem lesse a resenha, que tipo de livro esperar com Um bolinho é só o começo.
      Por incrível que pareça, a Anastásia não é como a Bela, que eu só vim saber quem era quando assisti o filme , nem peguei os livros na mão. A Bela, pelo que percebi em um filme que assisti, é bem como você descreveu mesmo, mas a Anastásia é ‘pulso firme”, decidida, imponente, desafiadora... assim como Fernanda também apresenta essas características em vários momentos.
      Não tenho como ter lido com preconceito, principalmente pelo motivo de que as semelhanças começam a aparecer do meio para o final, e eu só parei para associar mesmo depois que já tinha terminado de ler.

      Excluir
    2. Eu fiz só uma comparação do seu livro devido às semelhanças entre eles, assim como eu faria com o mestre Carlos Ruiz Zafón dizendo que TODOS os livros dele são iguais, o mesmo suspense, os mesmos dramas e mesmas angústias, só muda o contexto... fica chato porque nunca surpreende muito, mas me conquista pela maneira contínua da evolução da história, que aliás é o meu quesito favorito nos livros, é o que eu mais observo. Na resenha fiz questão de frisar isso: Seu livro é impecável quanto à evolução da história, não deixa uma falha no caminho, e não dá vontade de parar de ler até a última folha.
      Como comentei, eu adoro ler e faço isso desde muito pequena, então consigo comparar algumas coisas dentro da história. Marian Keyes, por exemplo, criou um livro que foi sucesso mundial e tentou seguir o mesmo padrão nos livros seguintes. Não conseguiu tanto sucesso neles, as pessoas queriam ser surpreendidas. Embora divertida, a história dela em Melancia, por exemplo, é cheia de falhas!
      Não foi por mal, e em momento nenhum pensei em criticar negativamente, pois realmente gostei da sua história.
      Eu associaria Sidney Sheldon com o Zafón, se fosse indicar um livro a alguém, para a pessoa saber o que esperar dos livros um do outro. Associei ao seu ao 50 Tons pelo mesmo motivo, apenas com a finalidade de exemplificar que tipo de história esperar.
      Se tivesse me contato antes que esse era um livro de uma série onde as personagens principais têm essas “anormalidades”, eu certamente teria lido com outra cabeça, digamos assim. Focaria nela e nas manifestações dela e possivelmente nem me atentaria a comparar como comparei, pois estaria focada em outra coisa.
      Boa sorte nos próximos e estou aguardando ansiosa, agora com olhar de uma psicóloga que se interessa por histórias que envolvam esse tipo de questão.
      Parabéns pela ideia, adorei!

      Excluir
  7. Anônimo29/10/13

    O l,ivro é encantador. particularmente me tornei grande fã da autora.

    ResponderExcluir

Vou adorar saber sua opinião!