#Eueacomida 3: O egoísmo e cartela de chicletes

Olá minhas lindas, como estão? Espero que estejam todas bem! Fiquei pensando no que trazer para o blog hoje (porque comigo é assim, a maioria dos posts eu decido no dia) e decidi: vamos conversar!
Simm, pra quem gosta de leitura, cá estamos nós para mais um post da série #Eueacomida.


Quando fiz o post da Tag 50 coisas sobre mim acabei me esquecendo de contar uma paixão que eu tenho desde sempre: chicletes (ou goma de mascar, como preferir). Sou apaixonada por isso desde pequena, e se me deixar, passo o dia inteiro mascando.
Eu ainda era criança, não me lembro quantos anos eu tinha, mas devia ser uns 5 mais ou menos. Um dia peguei umas moedas e fui sozinha a um barzinho comprar alguma coisa pra mim, e acabei comprando uma cartela de chicletes, aquelas que vêm pares de quadradinhos, sabem? 
Eu tinha uma missão: mascar todos os chicletes antes de chegar em casa pra eu não ter que dividir minha cartela com a minha irmã. Eu colocava na boca, mascava um pouquinho, engolia (!), colocava outro na boca, mascava um pouquinho e jogava fora. 
Acontece que cheguei de volta em casa e ainda me restava metade da cartela. O que fazer?
Me escondi no quintal e coloquei TODOS os quadradinhos restantes de chicletes de uma vez só na minha boca. 
Eu era pequena, minha boca era pequena e eu simplesmente não dei conta de mascar aquilo. Eu não tinha força para mastigar a bola de chicletes que formou, o chiclete não cabia na minha boca. 
Então aconteceu o que eu não tinha planejado: tive que jogar meu chiclete fora todinho de uma vez. 
Talvez se eu tivesse esperado chegar em casa para mascar o chiclete e tivesse dividido minha cartela ao meio com a minha irmã, nós duas teríamos aproveitado o chiclete e eu poderia mascar quando sentisse vontade, sem precisar mascar rapidinho ou tentar mascar tudo de uma vez e acabar jogando no lixo.
Ou então, mesmo se eu tivesse mascado os chicletes rapidinho antes de chegar em casa, e quando cheguei ainda com meia cartela, tivesse dado um parzinho pra minha irmã, eu teria o resto pra mascar, não precisaria mascar tudo de uma vez escondida, e não teria que jogar fora.

Vai me dizer que você nunca deixou de comer alguma coisa em determinado momento para não ter que dividir com o outro? 
Vai dizer que, pelo menos, nunca desejou que o outro não estivesse ali para que você pudesse comer aquilo sozinha?
Esse "egoísmo alimentar", se a gente for parar pra pensar, também é muito prejudicial para nós. 
Comer como se não houvesse amanhã e depois passar mal, da mesma maneira que eu coloquei todos os chicletes na boca e não consegui mascar.
Comer a panela de brigadeiro inteira de uma vez sozinha como se daqui a pouco o brigadeiro não fosse mais estar ali...
Talvez, se nós parássemos para pensar, optaríamos em dividir o que estamos comendo. Mas às vezes aquele momento é tão nosso, é tão intenso, que a última coisa que queremos é alguém pra dividir.

A pratada de comida, a panela de brigadeiro, a cartela de chiclete... dá na mesma. 
O estômago tão cheio que chega a doer, o enjoo ou dor de barriga, não conseguir mascar o chiclete... dá na mesma. 
A sensação que vem depois de passar mal com "aquilo" que comeu exageradamente compensa a sensação de comer "aquilo" exageradamente? 
É uma coisa a se pensar...


Vocês já passaram por algo assim?
Comeu muito e passou mal? Comprou algo muito grande e não conseguiu comer?
Me contem!!

Beijos!

8 comentários:

  1. Huahuahauhauaha! Adorei! Quando a gente é criança tem uma visão limitada sobre as coisas! Por isso você só viu essa alternativa, né? Eu sou filha única, então não tinha muito que dividir nada com ninguém! Mas uma vez aconteceu uma coisa muito engraçada! Eu tinha uns 15 anos! Tava com a minha turma da escola no MC Donalds! Daí pedi um sanduíche com Bacon! E eu adoro bacon! Daí eu tirei o bacon de dentro do sanduba e coloquei ele no canto pra comer por último! Daí um dos meus amigos viu, achou que eu não ia querer e pegou e comeu de uma vez só! Não deu tempo nem de falar nada! Fiquei passada! Justo a parte que eu mais gostava! E eu lembro que não tinha dinheiro pra comprar outro! Fiquei sem!!! Huahuahahauhauhaahuahuaha!!! Mas isso que você falou faz todo sentido, tem hora que a gente tem vontade de comer algo e come muito! Uma panela de brigadeiro, um balde de pipoca!! E isso pode nos fazer muito mal! Tenho controlado bastante a minha alimentação! Porque senão, além de engordar mais, a saúde não agradece!! Beijos!! Adorei o post!!

    ResponderExcluir
  2. hahahaha, mto bom Amandinha!!!
    Eu sempre brinco com meu noivo, qual gordinho nunca escondeu comida que atire a primeira pedra...hahaha
    Já fiz essa do 'chicletes' mtas vezes, sem contar que, qdo ia comprar algo pra minha mãe, superfaturava o valor do produto que ela havia pedido, pra poder comprar uma guloseima, e comer 'escondido' na rua, antes de chegar em casa, afinal de contas minha mãe era igual um sargento qdo se tratava do meu peso: não pode comer isso, não pode comer aquilo, só pode comer metade de um pão francês!!! Afff, mal sabe ela que qdo eu ficava pra tirar a mesa, enfiava um pão quase que inteiro guela baixo, pq aquela metadinha que eu havia comido não tinha matado minha fome :/ Hj percebo que não foi ela que eu enganei minha adolescência toda, foi eu mesma...e por essas e outras que decidi mudar, começando pela reeducação alimentar e em seguida farei a bariátrica..

    ResponderExcluir
  3. tenho muito, mas muitoooo mesmo o que pensar, portanto...
    eita
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Engraçado como todas temos alguma história dessa né? Gosto também de ver como cada uma de nós reagiu a esses episódios.

    Cinthia, não sabia que faria a bariátrica. Se vc já pensou bem sobre sua escolha e está decidida, fico feliz por vc. Mas recomendo que pense muuuuuuuito mesmo sobre isso tá?

    beeijos meninas

    ResponderExcluir
  5. Sempre fui assim...e ainda fazia questão e orgulho de falar que eu não me privava de nada...comia meeesmo...o que queria, quando queria, quanto queria. Só que nessa engordei 25 kg e perdi parte da minha saúde...tudo isso antes dos 25 anos. Foi quando parei e pensei que é inadmissível uma pessoa com a minha idade ter os exames de uma pessoa de 50 anos. Mudei hábitos e principalmente minha cabeça. Fui humilde para reconhecer que eu precisava de ajuda e que esses pensamentos de esconder comida, comer sozinha ou comer muuuito só porque queria comer não eram normais nem dignos de orgulho, e sim algo sério na minha personalidade que eu tinha que mudar, por mim, pelas pessoas que amo, por meus filhos que ainda virão. Eu me aceitava até que bem como gordinha, comprava roupas bonitas plus size, me maquiava maravilhosamente bem, arrumava meus cabelos e a autoestima estava resolvida, mas não me aceitava como uma diabética, ou hipertensa em potencial. É importante que saibamos reconhecer se essa "aceitação do corpo gordinho" não é uma mera desculpa para não mudar e ser mais saudável, mais feliz, sem esses pensamentos sabotadores. No meu caso era. Não me curei totalmente...isso leva tempo. Ainda escondo alguns chocolatinhos e tenho vontade de comer muito e escondida...mas hoje reconheço que isso é algo para eu mudar, não me orgulhar. Hoje sei como eu era falsa (sem querer) dizendo que eu era uma gordinha feliz. Eu era apenas uma gordinha compulsiva que não tinha ainda se dado conta do que estava fazendo com o seu corpo e a sua saúde, e dizia que era feliz para não dar abertura para ninguém me criticar, pois eu não era nem forte o suficiente para aceitar críticas. Hoje eu sei que meu corpo é minha saúde, apenas reflete aquilo que se passa dentro de mim: no corpo e na mente. Já perdi 15 desses 25 kg e, lógico, a autoestima melhora, mas não há nada mais gratificante do que caminhar sem sentir dor nos joelhos, estar mais bem disposta, conseguir correr, respirar melhor, ver pele, cabelo, unhas melhorarem, ter a pressão estabilizada, exames perfeitos e vida longa pela frente. Saudável. Feliz.

    ResponderExcluir
  6. hahaha... sempre, afe! Sério, demais esse texto, vou ler os outros dois desta tag.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi Amandinha!
    Já pensei bem sim, na verdade foram 2 anos pesquisando, pensando, me decidindo, conversando com pessoas que fizeram, com médicos, etc...
    Estou mto decidida sim, e minha saúde vai agradecer!

    ResponderExcluir
  8. Que ótimo Cynthia!!! Tem todo meu apoio =)
    Conte comigo para o que precisar

    ResponderExcluir

Vou adorar saber sua opinião!