Cirurgia Bariátrica: Vamos conversar?

Olá queridas, tudo bem com vocês? Prontas para mais uma semana?
Já tem um tempo que prometi aqui no blog que falaria sobre Cirurgia Bariátrica. Nunca tinha pensado em falar sobre o assunto aqui no Linda GG até que uma leitora (obrigada Vely), me perguntou se eu já havia abordado o tema aqui. Parei pra pensar e vi que muitas de vocês podem estar pensando sobre a possibilidade de realizar a cirurgia e que, sim, esse seria um assunto interessante para discutirmos. 
Fiquei pensando de que maneira faria isso, pois não quero que nossas conversas sejam chatas ou cheias de conteúdos teóricos sobre o assunto. Também estou envolvida com meu TCC que fala sobre essa modalidade de cirurgia, e não quero (nem posso) reproduzir meu TCC aqui. Teria, então, que ter bastante cuidado ao falar para não cair na tentação de falar só sobre os temas que meu TCC aborda, e também para não tornar nossa conversa impessoal. Decidi, então, que seria assim... uma conversa, onde os assuntos vão fluindo e, com isso, o texto vai surgindo.


A primeira coisa que precisamos ter em mente é que a cirurgia bariátrica é um procedimento complexo, uma cirurgia de grande porte, e apresenta risco de complicações. Por conta disso o candidato à cirurgia precisa conhecer muito bem qual é o procedimento que será realizado (existem vários tipos de cirurgia dessa modalidade) e quais os riscos e benefícios que poderão resultar da cirurgia.
Buscar conhecer isso é o primeiro passo quando se começa a pensar na possibilidade de fazer a "redução de estômago". Você pode buscar através de médicos, livros, relatos de experiência de quem já passou por tudo isso. Vários livros dizem que uma característica fundamental para a realização do procedimento é que o paciente tenha maturidade (já tenha saturado as opções de conhecimento sobre o que vai passar) e esteja realmente disposto a receber ajuda dos profissionais da equipe.
Equipe? Sim, equipe! 
De acordo com a Resolução 1.942/10 do Conselho Federal Medicina (CFM), a equipe deve ser composta por cirurgião com formação específica, clínica, nutrólogo e/ou nutricionista, psiquiatra e/ou psicólogo, fisioterapeuta, anestesista, enfermeiros e auxiliares de enfermagem familiarizados com o manejo desses pacientes. A equipe precisa ser capacitada para cuidar do paciente nos períodos pré e pós-operatório, além de fazer o acompanhamento deste paciente. 
Isso é uma questão pra você observar. Seu médico mencionou essa equipe? Você teve ou vai ter contato com todas essas pessoas durante toda a preparação da cirurgia?
Se a resposta é não, talvez seja melhor você repensar onde e como o seu procedimento está sendo planejado. Talvez o médico escolhido seja excelente, mas só esteja vendendo uma cirurgia pra você, sem se preocupar, de fato, com VOCÊ por trás de tudo isso. 
As mudanças serão severas, e, sinto em dizer, mas podem ser mudanças positivas e mudanças negativas. Se está difícil lidar com o seu corpo de hoje, o que te garante que você vai conseguir lidar com o seu corpo depois da cirurgia? 
Vocês já viram os casos de pessoas que emagrecem, perdem muito peso, mas ficam com uma infinidade de pele? Esses são os casos mais frequentes! Você está preparada pra isso? Você está preparada para todas as possíveis intervenções que você precisará fazer depois da cirurgia bariátrica? 
Não quero desmotivar ninguém sobre a cirurgia, não mesmo! Quero, ao contrário, que sua motivação seja real, seja pensada, refletida. Quero que você que está optando pela redução de estômago tenha certeza daquilo que está fazendo.
É sobre isso a nossa conversa.
Aqui no blog eu sempre busco a reflexão sobre o assunto, não poderia fazer diferente dessa vez. 
Questiono vocês: Porque fazer?
São identificadas três principais motivações para quem está buscando a cirurgia. A primeira, e a principal, é a obesidade severa. É quando seu organismo já não consegue reagir adequadamente ao nível de obesidade que atingiu. Os órgãos já estão acusando complicações, as articulações não suportam mais o peso do corpo, o coração já não dá conta de bombear sangue para o seu corpo inteiro. Resumindo, sua saúde já está comprometida e a cirurgia é a única opção para a redução corpórea que você precisa.
Outra motivação são os padrões estéticos. A cirurgia bariátrica deve ser visto como o último procedimento a ser buscado depois de diversas outras tentativas para emagrecer. Já fez regime? Já se exercitou? Já tentou acompanhamento nutricional, com endocrinologista, nutrólogo? Só depois disso a cirurgia deveria aparecer como opção, mas acontece que o fácil acesso ao procedimento e a quantidade de médicos querendo vender a cirurgia fazem com que, para muitas pessoas, essa cirurgia acabe sendo uma opção mais fácil e garantida para a perda de peso, então pra que passar por todo aquele sofrimento anterior? Infelizmente muita gente pensa assim!
Neste ponto é importante a reflexão sobre pra quem a cirurgia está sendo feita: para você ou para o outro?
Optou pela cirurgia para se livrar do preconceito? Porque o obeso não é bem aceito? Porque não se sente segura para manter ou iniciar um relacionamento? Cuidado! Essas são questões psicológicas que devem ser tratadas em terapia. Restringir um pedaço do seu estômago ou intestino não vão fazer esses "problemas" saírem da sua cabeça. Quando a cirurgia é motivada somente por questões estéticas são grandes as chances de você não conseguir lidar com quem você se tornou... assim como você não conseguia lidar com quem você era. Como psicóloga que sou, digo e repito, aceitem o acompanhamento psicológico. Se o seu convênio te proporciona só 3 encontros com a psicóloga, busque um acompanhamento extra, faça terapia, discuta seus sentimentos com alguém que está disposto a te ajudar e te preparar para a cirurgia. 
A terceira motivação frequente é o desejo psicológico de mudança, aquele "preciso mudar" que surge como um alerta dentro de você.
É o momento em que você já não está mais feliz com você mesma, que não se encontra mais dentro do seu corpo. É o momento em que sua vida vai ficando pra trás em função da obesidade. Sua insatisfação com sua condição é muito maior do que você consegue lidar.
A cirurgia, aqui, aparece como a possibilidade de uma "nova vida".
Diferente da primeira motivação que visa a parte física/biológica da coisa, da segunda focada na parte estética do procedimento, essa motivação engloba as duas coisas... irá priorizar sua saúde e sua estética. 
A infelicidade de estar como você está possibilita uma melhor avaliação de você mesma após o procedimento. Não é literalmente assim, mas é como se diz naquela frase "o que vier é lucro". 
Claro, gente, o sucesso da cirurgia dependerá de você e da equipe profissional que está tomando conta do seu caso. Não criem expectativas surreais.
Ao invés das expectativas, deixem simplesmente as coisas acontecerem. Curtam cada quilo eliminado, cada centímetro diminuído. Pode ser que desse jeito as frustrações sejam menores e as mudanças resultadas da cirurgia sejam melhor aproveitadas por você.
Por fim, não posso deixar de dizer que a cirurgia não é a solução para os seus problemas, ela é só um passo que você está dando em direção à resolução (ou não) deles. Serão necessários vários outros passos que talvez sejam ainda mais difíceis de dar do que a própria decisão pela realização do procedimento. 
Um conselho? Vai com calma!

E então, o que você pensa sobre o assunto? 
Já passou pela sua cabeça fazer a cirurgia? 
Me contem e sugiram mais temas sobre a cirurgia pra gente conversar.

Um beijo

21 comentários:

  1. Ótima abordagem Amandinha!
    Como eu já falei aqui, estou em meio ao processo para fazer a cirurgia, meu pai fez a 4 anos atrás e na época quase que 'me obrigou' a fazer também, porém eu estava super bem, apena sum pouco acima do peso, mas não tinha nenhum problema de saúde em virtude da obesidade, e não vi motivos para me submeter a ela. Porém o tempo passou, meu peso aumentou (e muito), e desde o início do ano passado, venho amadurecendo a idéia, pesquisando, pensando sobre os prós e os contras, e foi aí que decidi definitivamente por fazer!!! Como vc citou, além da questão da saúde que está comprometida com alguns problemas relacionados a obesidade, esse desejo de mudança também me motiva muito, e embora eu tenha receio da complexidade do procedimento, esteja ciente de que terei que tomar vitaminas pelo resto da vida, que meus cabelos poderão cair aos montes, que talvez terei que fazer algum tipo de plástica, que terei intolerância a alguns tipos de alimentos, etc, eu ainda fico com a opção de fazer! Já estou com os exames todos prontos, fiz acompanhamento com a equipe multidisciplinar que vc citou, e só adiei um pouco, por conta do meu casamento, mas ainda esse ano, eu farei, e se Deus quiser, tudo ficará bem!

    ResponderExcluir
  2. Mto OBRIGADAAA pela bela abordagem do tema, feliz por saber q faz parte do seu TCC.
    Eu estou na fase dos exames, pretendo fazer ainda este ano e foi por isso que busquei ajuda e informação, inclusive aqui no blog! (meu companheirão este espaço, adoro)
    Olha, me casei há 1 ano e foi justamente por isso optei pela bariátrica pois estou com pressão alta, apesar das taxas de glicose, colesterol estarem normais, mas uma coisa é certa: eu QUERO engravidar.
    A questão estética fica em terceiro plano pra mim, hj em dia, com 30 anos e recém casada, penso no meu bem estar e no meu sonho em ser mãe.
    Optei pela cirurgia pq até os 20 eu pesava 60 quilos, era uma pessoa magra, devido a mudanças q a vida da gente dá, comecei a engordar e não consegui mais parar, mesmo colocando balão, fazendo dietas, acompanhamentos, cheguei a um ponto em que descobri que a obesidade é doença. Não é sem vergonhice, ngm é obeso pq quer. É uma doença crônica que não existe cura e um dos controles é a cirurgia, assim como para o diabético o controle é a insulina. Não adianta operar e achar que estará curada pq é MENTIRA. É preciso vigiar pro resto da vida. A cirurgia é uma maneira de manter o controle, depois dela é dieta e atividade física, acompanhamentos nutricionais e psicológico por mto, mto tempo.
    Eu apóio qq tipo de coisa que sirva pra nos deixar melhor. O período em q estive gordinha me ajudou mto, principalmente meu jeito de enxergar o outro, me tornei outra pessoa, mto melhor, mas por questões de saúde e por querer engravidar, optei por ter meu corpo de volta e espero que a cirurgia saia o qto antes... esperando os exames e a aprovação do plano! Obrigada mais uma vez por tocar neste assunto. Mto valia mesmo! Bjos carinhos, Vely

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante seu texto, Amanda! Cada um tem sua motivação pessoal para optar ou não pela bariátrica. Eu sou obesa mórbida e lido muito bem com isso, porém como a Vely, quero engravidar e continuar assim não dá. Por essa motivação maior, resolvi emagrecer e voltar ao meu corpo 48 de quando comecei a namorar com o Janjão. Por muitos motivos, em 04 anos eu engordei muito. Me acomodei e não percebi os problemas que estavam batendo à minha porta. Enfim, quando viajei para a Disney em abril foi que decidi que precisava cuidar da minha saúde e me livrar de alguns incômodos que a obesidade estava me trazendo (ter que usar extensor de cinto de segurança em avião, não caber em alguns brinquedos, não conseguir correr, entre outros). Lá fora ainda conheci o console Xbox 360, com Kinect, que é um dispositivo que permite a leitura do meu corpo e assim dispensa um controle para jogar. Com ele, trouxe um jogo de dança, o famoso Just Dance. Meu emagrecimento começou assim. Por conta própria, em casa. Porém, tendo mãe médica, e aconselhada por ela, procurei um cardiologista (o único que acreditou no meu potencial) e um endocrinologista. O endocrino acabou comigo. Me levou na lona! Por ele eu me matava, porque conseguir emagrecer seria só com a bariátrica e olhe lá! Mas eu bati o pé e falei: vou conseguir sozinha!!! Não vou retirar uma parte de mim e ter que me privar de diversas coisas pro resto da minha vida porque ele quer! Se eu quero, eu vou conseguir sozinha! VEJA BEM, EU DISSE EU! Não tenho anda contra quem escolha fazer a bariátrica. Mas eu não vou optar por esse método de emagrecimento. Não sem antes tentar com todas as minhas forças! E não vou sossegar enquanto não conseguir! Está dando certo! Mas só vou postar no meu Blog sobre esse processo quando chegar na minha primeira meta! Por que: o mundo plus size é estranho! Já falei sobre emagrecimento uma vez no meu blog e me acusaram de trair o movimento! Fizeram diversas ameaças como anônimo, enfim, não preciso disso!! Huahauhauhauha! E assim vou levando a vida! Com novos hábitos, práticando de exercícios, passeando com meus cães!! Sendo feliz, como sempre fui, porém observando um lado que eu não observada antes, o da saúde! Estou jovem, vou conseguir me livrar da obesidade mórbida e levar uma vida mais saudável! E tem mais, nunca tive problemas com meu corpo, graças, a Deus! Sempre procurei me vestir super bem e gostar de mim como sou! Independente do peso, temos que nos aceitar! E isso não significa que não devemos buscar melhorar!! Beijos!!! Fica aí a minha singela opinião!!

    ResponderExcluir
  4. Renata Costa, concordo completamente com td q vc escreveu. É um processo longo que temos que passar e a cirurgia deve ser a ÚLTIMA opção! Eu tentei mtas coisas, balão, dietas, cheguei a perder 35 quilos mas depois engordei 40 e percebi com o tempo q mais difícil do q perder é manter o peso. Por isso me dei o direito de pensar em cirurgia, até uns 2 anos atrás, pensava como vc. Eu acredito que existe modos e modos de se perder e torço de coração pra q vc consiga principalmente manter a meta atingida! ótima sorte a nós todas! Bjos :*

    ResponderExcluir
  5. Isso mesmo, Vely! Também torço por você, pela Cynthia e por todas as amigas que decidiram cuidar da saúde! Não importa a forma como vamos proceder, o que importa é o respeito que temos que ter pela outras pessoas e suas escolhas e o resultado final ser satisfatório, é claro!! Fiz vária dietas antes, mas nunca com tanto foco como atualmente!! E ainda quero ver você aqui contando da sua gravidez, assim como contarei da minha! A felicidade é o que importa! E atingirmos nossos objetivos, claro!!!

    ResponderExcluir
  6. então, eu ando bem indigana com a banalização desse processo menina, adorei
    beijos e bom dia

    ResponderExcluir
  7. Karla de Souza 17/09/2013
    Eu venho amadurecendo a ideia desde de 2003(sabe que não tinha me dado conta que penso nisso a 10 anos)Mais agora cheguei em um patamar que preciso fazer a cirurgia por uma questão de saúde ( tenho diabetes e pressão alta)mas confesso que tenho tido uma enorme vontade de me sentir bonita! E não pela ditadura da beleza,mais porque tenho me sentido tão mal quando me vejo em frente ao espelho! Outro dia me filho de 8 anos, viu uma foto de meu casamento e me perguntou quem era aquela moça bonita que estava na igreja com o pai dele, e quando eu disse que era eu ( e eu não estava tão magra assim) ele disse:
    MÃE COMO VOCÊ ERA LINDA!
    Sinceridade de criança, mais aquilo me fez repensar e ver que talvez eu tenha me entregado de tal forma, que não tenha percebido aonde foi que Eu,me deixei! Sei que a cirurgia envolve riscos, mais o que é a vida , senão um risco? Tenho vontade de vestir uma roupa que realce minhas curvas, mais me sinto confortável com aquelas que literalmente as escondem. Acho super bacana essas meninas lindas ( porque a maioria de nós gordinhas, temos o rosto lindo, é o que sempre dizem as pessoas,como se o resto fosse deplorável)se aceitam e usam qualquer tipo de roupa, sem nenhum trauma.Mas minha amigas , vou de encontro a minha cirurgia ( em Julho de 2014) e quem sabe volte a escrever aqui, afim de contar como será minha vida pós cirurgia!
    Boa Noite
    clatharkalu@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Karla! Você está certa! Tem que correr atrás da sua felicidade!! Eu tenho o fator idade ao meu favor, talvez se eu chegasse aos 35, 40 anos com o peso que eu tinha há 5 meses atrás eu me sentiria de forma diferente! Eu acho que nunca é tarde para mudar!! E que escolhi fazer essa mudança na minha vida na hora certa! (Amanda, eu tô que nem dona do Blog, respondendo todo mundo!! Kkkkkkkk!!!)

    ResponderExcluir
  9. Minhas queridas, está tããão corrido pra mim que ainda não tive tempo de responder cada comentário individualmente com a atenção que vocês merecem. Não quero responder de qualquer jeito, então preciso sentar aqui com tempo. Já li todos os comentários com todo o carinho e atenção e irei responder assim que me sobrar uma horinha, tempo suficiente pra eu também me abrir aqui com vcs.

    Rê, meu amor, obrigada por fazer a vez de dona do blog, já que a própria não anda podendo haha.

    Beijos e até jajá!

    ResponderExcluir
  10. É bem isso meninas, todas nós, com alternativas diferentes, e com os mesmos objetivos, eu me empolguei falando, e não disse sobre a questão da gravidez...mas é o segundo maior sonho das nossas vidas (meu e do Abel), o primeiro, realizaremos mto em breve que é o nosso casamento, e depois disso, os dois vão se submeter a cirurgia, pois queremos ter saúde, para que nosso bebê também venha com saúde, e para acompanharmos o crescimento dele, brincar no parque, correr, jogar futebol, sabem essas coisas simples?É isso que queremos, e isso que a obesidade, dores nas articulações, fadigas, falta de ar e cansaço aos pequenos esforços que nos traz no momento...mas com Deus no controle, e o amor que nos une, isso será mais fácil, juntos somos mais fortes e vamos mais longe!!!Daqui um tempo todas nós, vamos fazer uma blogagem coletiva contando sobre nossas gestações :) Tenho certeza disso!!!

    ResponderExcluir
  11. Cynthia, exatamente!!! Sou a favor de um post futuro sobre os bebês do blog... os mascotes! rsrs

    ResponderExcluir
  12. Cynthia, não sabia que seu noivo faria a cirurgia também. Que legal!! As expectativas de vocês devem estar a mil... casamento, cirurgia... quanta coisa importante acontecendo com vocês.
    O que você contou é um processo que acontece com a maioria das pessoas, a gente vai engordando, engordando, e não se dá conta. Quando percebemos, a saúde já está pedindo ajuda né?!
    Acho que essa insegurança que você contou é comum acontecer, além de importante. É pra isso que eu, como psicóloga, sempre digo que é importante o acompanhamento mesmo na etapa pós operatória, pra te ajudar a lidar com as possíveis mudanças na sua vida que sejam difíceis de lidar. Mesmo assim, as mudanças positivas que ocorrerão também serão intensas. Já disse outras vezes, torço muuuuito por você... agora que sei do seu noivo, torço por vocês!

    ResponderExcluir
  13. Vely, tem hora que a vida da gente pede uma tomada de decisão, né?!
    O incômodo começa quase imperceptível, mas chega a gritar no nosso ouvido.
    A possibilidade de uma gestação saudável é realmente uma grande motivação.
    Achei legal o teu caso porque você já passou pelo corpo magro, pelo corpo obeso e vai encarar o corpo emagrecido. Já pensou em como será isso pra você, enquanto "forma" mesmo? Adoro pensar nesse tipo de coisa.
    Eu não sei se teria a coragem que você tem de enfrentar a mesa de cirurgia... tenho tanto medo. Também tem a questão de que a vida inteira fui gordinha, e por mais que seja uma luta constante conta o aumento na balança, não sei se me reconheceria magra. Engraçado né?!
    Gosto de acompanhar de perto o que você e as meninas pensam e esperam da cirurgia, quero saber de tudo o que vão fazer, como vai ser... e com certeza voltaremos a discutir :)

    ResponderExcluir
  14. Rê, querida, finalmente cheguei em você! heehhe obrigada por servir de anfitriã aqui no blog durante minha ausência.
    Sabe, eu penso muito nisso tudo que você contou. Acho que, como você, eu não optaria pela cirurgia sem antes ter tentado de tudo.
    Lembrando que não considero isso, nem aquilo, nem qualquer outro modo de pensar correto ou errado... são só modos e opções.
    Acho que a diferença, no seu caso, é que você se dá super bem com o seu corpo, e por mais que já tenha sido mais magra do que você está hoje, isso não é um motivo de sofrimento pra você.
    Conheço o caso de uma moça que fez a cirurgia com 95kg, usava manequim 46... o maior problema dela era o preconceito que ela mesma tinha com as pessoas obesas. Isso sim é um agravante!
    Não é dor no corpo, não é impossibilidade de engravidar, não é cuidado com a saúde... é a impossibilidade de viver dentro do próprio corpo. Vendo por cima isso parece surreal né?!
    Sobre sua decisão de correr atrás da sua saúde antes de pensar na cirurgia, eu nem sabia dela hehehe... sabe, eu prefiro assim. Acho que quando fazemos uma coisa pra gente mesmo não precisa ficar gritando aos quatro cantos que estamos emagrecendo, que estamos nos exercitando.
    Essa exposição, na verdade, é só uma necessidade de atenção, de valorização narcísica.
    É o padrão de beleza disfarçado de cuidado com a saúde.
    rs
    falei demais :p

    ResponderExcluir
  15. Oi Karla, obrigada pelo seu comentário.
    Essas motivações marcam a gente né?! Pelo jeito o que seu filho te falou foi um "antes de depois" na sua decisão. PArece que você despertou para a sua felicidade depois que isso aconteceu. Acredite, isso é muito comum.
    Como a Rê já disse, temos que correr atrás da nossa felicidade. Se sua felicidade está aí, desejo uma boa sorte e uma boa cirurgia pra você.
    Obrigada por ter se aberto com a gente!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Meninas... TODAS! hahahaha
    Vou adorar ter os mascotinhos de vocês aqui no blog... contar a história de vocês.
    Outra coisa, deixo o blog aberto pra vocês quando quiserem relatar a experiência de vocês, falar sobre o antes, o depois, os sentimentos, etc.
    É só criar o texto que eu coloco aqui no blog, tenho certeza que vai ajudar muita gente!
    Esses relatos sempre causam identificação nas pessoas, ajudam elas a pensarem sobre seus próprios problemas e tomar alguma decisão sobre eles. Caso queiram, já sabem... o blog está aberto!

    Beijos amores!

    ResponderExcluir
  17. Anônimo18/9/13

    Oi meninas sempre acompanhei o blog + não sou mt de comentar, + queria compartilhar com vocês o meu caso dia 30/09 eu vou fazer a cirurgia bariátrica, eu tenho 24 anos e sempre sofri com obesidades, desde pequena sou acompanhada por nutricionistas e endocrinologistas, aos 12 anos descobri que tinha problemas hormonais como hipotiroidismos e SOP, foram anos de tratamento parava e retornava para meu organismos não se acostumar, passei por diversos tratamentos e médicos aos 12 anos já tomava anticoncepcional, e era refém de cera depilatória pois nasciam pelos na região da papada, sempre fiz atividades físicas, nunca fui sedentaria, e acho q isso contribuiu pra eu não ter um corpo flácido, aos 20 tomei vários remédios pra emagrecer e cheguei a perder 25 kg, porém era muito caro gastava cerca de R$350,00 com os medicamentos, logo parei, e continuei com a academia como de costume porem em 4 anos recuperei o peso que eu tinha antes com um acréscimo de 7kg, e depois de 12 anos entre idas e vindas de medicamentos/tratamentos a minha taxa da hipotiroidismos recuou ficando normal, e com isso se foram tbm os ovários policistos, em fevereiro desde ano conversando com a minha mãe no carro surgiu a ideia de fazer a cirurgia ela logo apoiou, amadureci a ideia lendo relatos, métodos até que em abril veio a decisão, quando informei aos meus pais eles recuaram, porém eu decidi seguir mesmo que só... + eles voltaram atras e decidiram me apoiar a escolha do médico veio por indicação de uma amiga da minha mãe já operada, procurei outras opiniões e vi q ela era bastante recomendado, dia 24 fiz a minha primeira consulta, em seguida foram muitos exames, consultas, e a principal acompanhamento psicológico, você tem que amadurecer bastante a ideia, ter certeza do que estar fazendo... é um processo difícil, duro e temos que abrir mão no primeiro momento de muitas coisas, só fazer se tiver a certeza que é a ultima saída... eu busco qualidade de vida e hoje eu não tenho, tenho problemas de coluna, apneia ( que me faz sufocar e engasgar sempre que durmo de barriga pra cima), dores nas articulações... hoje estou muito feliz pois Deus permitiu que essa mudança, essa nova chance acontecesse... peço que me coloquem em suas orações, estou mt feliz e confiante, meu médico faz palestras toda ultima segunda -feira do mês com a sua equipe médica (nutricionista, psicologa e anestesista) pra tirar dúvidas explicar os procedimentos, como é a dieta e a parte + legal ouvir relatos de quem já foi operado de como foi o pós-operatório... estou muito feliz! espero que eu tenha contribuído! bjs

    ResponderExcluir
  18. Amanda, achei super generoso da sua parte dar abertura para compartilharmos aqui as nossas experiências ao longo do processo da cirurgia! Encontrei alguns blogs sobre gordinhas em q este assunto é PROIBIDO pois acreditam q estejamos "traindo" o povo gordinho com o qual nos identificamos e fazemos parte. Eu não acredito que este seja o melhor caminho para o diálogo, mto pelo contrário, somos de um mesmo grupo hj mas nada nos impede que optemos (por questões de saúde ou qual for o outro motivo) fazermos a bariátrica.Continuaremos amigos, eu vou continuar a frequentar o blog, comentar, como tenho feito sempre pq me identifico com idéias e não com formas de corpo. Obrigada pela sua força e por nos entender... rsrs Bjokas

    ResponderExcluir
  19. Anônimo, gostaria mto de saber o seu nome! rsrs Me identifiquei mto com o seu caso pq tb desde q comecei a menstruar aos 12 anos descobri SOP e hipotireoidismo ao mesmo tempo! É mto sofrido e as dificuldades pra perda de peso só aumentam com estes agravantes hormonais! Espero q corra td bem na sua cirurgia e que logo vc dê notícias para nos animar ainda mais... tô na fase dos exames e eles nos viram do avesso de tantaaa coisa hehe mas é assim mesmo! Boa sorte e mta saúde pra vc! :*

    ResponderExcluir
  20. Vely, querida, sempre vai ter espaço pra vocês aqui no blog.
    É como eu sempre digo, o blog tem espaço pra todo mundo, seja pra quem quer se aceitar, ficar como está, seja pra quem quer mudar, buscar o que considera ser melhor pra si. Pra mim não existe certo ou errado pra nada quando se fala em corpo. Vou adorar saber sua história, e se quiser criar um texto falando sobre sua vida, sua busca, sobre o processo... publicarei com prazer

    ResponderExcluir
  21. Anônimo18/9/13

    Oi Vely, me chamo Eduarda Tyssia tive que postar como anonima porque não lembro minha senha do google =\ e acabei esquecendo de me identificar, eu também descobri essas problemas hormonais quando menstruei pela primeira vez, são muitos exames mesmo, + um conselho não tenha pressa, faça tudo com calma e tenha tempo bastante pra pensar... entrei em vários grupos sobre a cirurgia no face pra me informar é muito bom, porque la podemos ver que o processo pós-operatório não é nenhum conto de fadas como muitos falam e sim um processo difícil então temos que estar bem decididas! qualquer dúvida que tenha pode tirar, estou sempre disposta a ajudar =] espero que dê tudo certo no seu processo, eu vou operar pelo plano de saúde e até eles autorizarem é aquela tensão rsr + como eu estou totalmente dentro das regras da ANS eles não tiveram motivos, tenho 41 de IMC + comorbdades.

    ResponderExcluir

Vou adorar saber sua opinião!